Pastor Israel Marques e Pastora Roseane Marques

Minha foto
Teresina, Piauí, Brazil
O MINISTÉRIO PERSEVERANÇA É ITINERANTE E UMA ORGANIZAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS, PREGAMOS O EVANGELHO POR TODO O TERRITÓRIO BRASILEIRO, GANHANDO VIDAS PARA O SENHOR JESUS CRISTO! SOU PASTOR FILIADO A CGIADB (CONVENÇÃO DAS IGREJAS EVANGÉLICAS ASSEMBLÉIAS DE DEUS). PRESIDENTE DO MINISTÉRIO PERSEVERANÇA

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Dízimos e ofertas

Graça e paz!
Porque devo devolver o dízimo e ofertar?
Estaremos estudando este assunto que é tão delicado, mais é de suma importância, pois é doutrina bíblica, e diremos o que fazer conforme a vontade de Deus, alguns estudiosos das Sagradas Escrituras afirmam em suas teses que o tempo de dizimar e ofertar era só no tempo do Antigo Testamento, e que no Novo Testamento não veio a existir, “e que nos dias de hoje não precisa dizimar e ofertar, pois a nossa vida é o dizimo e oferta perante Deus,” mais isso, é um pensamento errôneo porque eles interpretam a Bíblia Sagrada pelos seus próprios pensamentos, a Bíblia Sagrada ensina que devemos dizimar e ofertar, pois a casa de Deus precisa de mantimento, para que a obra de venha ter crescimento, a oferta é algo importante que todo servo de faz para que manutenção na obra como por ex: ajudar os necessitados, a assistência social da igreja serve para os arrecadamentos das ofertas, para construções de novas congregações, para pagamentos dos pastores, a palavra de Deus diz o seguinte que o trabalhador é digno de seu salário:
“O trabalhador é digno do seu salário.” (Tm 5.18).
a) Paulo recebeu salário de determinadas igrejas para servir aos crentes em Corinto (2Co 11.8).
b) Paulo ensinou à igreja de Corinto a sustentar os pregadores do Evangelho (1Co 9.4-14).
c) Timóteo foi advertido por Paulo a não cuidar dos negócios seculares para se sustentar (2Tm 2.4).
d) Pedro disse que a única ocupação dele e seus companheiros de ministério eram a oração e a pregação (At 6.4).
e) Os apóstolos de Jesus viviam das ofertas que recebiam. Em João 12.6 lemos que existia uma bolsa onde eram depositadas as contribuições para o sustento dos discípulos, e Judas fazia as compras com o dinheiro ai depositadas (Jo 13.29).

O nosso patriarca Abraão devolveu o dízimo ao Senhor por Melquisedeque rei de salem que era Sumo Sacerdote.
“E de tudo lhe deu Abrão o dízimo.” (Gn 14.20).
Caim e Abel ofertaram suas primícias a Deus, porem Deus se agradou somente da oferta de Abel.
“Aconteceu que no fim de uns tempos trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao Senhor.
Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste. “Agradou-se o Senhor de Abel de sua oferta;” (Gn 4.3-4).
Jacó devolveu o dízimo ao Senhor.
“ Fez também Jacó um voto, dizendo; Se Deus for comigo, e me guardar nesta jornada que empreendo, e me der pão para comer e roupa que me vista,
De maneira que eu volte em paz a casa de meu pai, então, o Senhor será o meu Deus;
“E a pedra, que erige por coluna, será a casa de Deus; e, de tudo quanto me conceder certamente eu te darei o dízimo.” (Gn 28.20-22).
No livro de Malaquias fala sobre os dízimos e ofertas.
“Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa; e provai-me nisso, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre nós benção sem medida,” por vossa causa, repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; a vossa vide no campo não será estéril, diz o Senhor dos Exércitos.” (Ml 3.10-11).
Os crentes do Novo Testamento devolviam os dízimos e as ofertas na casa do Senhor. ( At 5.).
“Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todas eles havia abundante graça.
“Pois nenhum necessitado havia entre eles, porquanto os que possuíam terras ou casas, vendendo-as, traziam os valores correspondentes e depositavam aos pés dos apostolos então, se distribuía que alguém tinha nescessidade.”
Oferta de Barnabé
“Jose, a quem os apóstolos deram o sobrenome de Barnabé, que quer dizer filho de exortação levita natural de Chipre, como tivesse um campo, vendendo-o, trouxe o preço e o depositou aos pés dos apóstolos.” (At 4.33-37).

Os sábio Magos trazem presentes a Jesus – Mt 2.112- Jesus condena a atitude dos fariseus que davam para serem vistos – Mt 6.1-23- Jesus pede ao jovem rico que dê seus bens para remover a barreira espiritual de amor ao dinheiro – Mc 10.17-224- A mulher derramou um vaso de alabastro sobre a cabeça de Jesus. Uma linda demonstração de dar por gratidão e amor – Jô 12.1-85- Oferta da viúva pobre. Ela recebeu elogio de Jesus por causa da magnitude da expressão de seu amor em comparação com a oferta dos outros. Ela deu Tudo Lc. 21.1-4; Mc 12.41-44.6- Os primeiros cristãos tinham tudo em comum – At2.44-457- O crescimento na graça e no galardão de dar – II Co 9.6-158- A fé viva é dar dos bens para servir aos outros – Tg 1.27;2.16; I Jô 3.17-18Que Deus nos livre da mesquinhez e da mediocridade e nos conduza à generosidade, ao gênero humano, à plenitude da estatura de Cristo, à imagem de Deus também nas nossas contribuições. Pois, como nos diz o apostolo Paulo: “ Tenho-vos mostrado em tudo que trabalhando assim, é mister socorrer aos necessitados, e recordar as palavras do próprio Senhor Jesus: Mais bem-aventurado é dar do que receber” ( At 20.35).

Deus espera as primícias – os primeiros frutos – Ex 22.29-313- Oferta voluntária ao Senhor (Nm 31.48-544). Dar conforme Deus tem abençoado e não aparecer de mãos vazias (Dt 16.16-17) Ofertas dadas a Davi e depois oferecidas ao Senhor (II Sm 8.9-116) Tudo é de Deus, e Ele nos dá para que possamos dar – (IICr 29.14-16) “honra ao Senhor com teus bens”.
E ai? Eu tenho grande pena dessas pessoas e seus pensamentos a cerca dos dízimos e ofertas, a Bíblia ensina que devemos ofertar e dizimar na casa do Senhor, ser um dizimista fiel para Deus isso é uma honra porque o Senhor recebera e nos dará bênçãos sem medida para nós, dizimo é somente a terça parte, ele só pedi isso, e ele nos da tantas benções, crentes que não ofertam e nem dizimam são na verdade, ladrões porque estão roubando o que é de Deus, é Bíblia que diz, por isso vamos fazer conforme a vontade de Deus, se alguém esta fazendo algo errado com os dízimos e ofertas ele vai prestar contas com Deus, não devemos é deixar de devolver o dízimo do Senhor certo somente preste atenção neste ponto aqui.
A soberania de Deus
O milagre da criação de Deus e o seu direito permanente de soberania são ilustrados pelo resultado da seguinte pesquisa.
Certa faculdade de estudos agrícolas fez uma pesquisa das coisas indispensáveis empregadas na produção de 100 alqueires de milho em meio hectare de terra. Verificou-se que o homem contribui apenas com o trabalho de preparar a terra, plantar e colher, ao passo que Deus concorre com muitas coisas, como, por exemplo: acerca de 1.800.000 litros de água; uns 3.200 litros de oxigênio; 2.400 litros de carbono ou 8.200 de monóxido de carbono; 73 quilos de nitrogênio; 57 de potássio; 18 de fósforo; 34 de enxofre; 23 de magnésio; 23 de cálcio; 908 gramas de ferro alem de pequenas quantidades de iodo, zinco e cobre. Cem alqueires de milho! Quem os produziu? De quem são?
Tudo pertence a Deus, no entanto ele nos entregou tudo, requerendo o retorno de apenas um décimo, e ainda sob a promessa de que sobre aquele que o fizer, derramara bênçãos sem medida (Ml 3.10).
O reverendo Stanley Jones escreveu: “O Dízimo é um Sinal- Uma Prova de que Você não é Dono, mas Devedor”. Assim como você paga impostos em reconhecimento do senhorio de mais alguém, também com o dízimo você reconhece a soberania de Deus sobre os nove décimos restantes. (Este texto foi tirando do livro Seitas e Heresias de Raimundo de Oliveira).
Não devemos aceitar ventos de doutrinas que tanto nos persegue, por isso temos que meditar na palavra do Senhor estudando as Sagradas Escrituras e não deixar de congregar principalmente em culto de doutrina e escola dominical pois é de muita importância aprendermos a palavra do Senhor.
Missionária Roseane Marques

quinta-feira, 21 de maio de 2009

A graça da contribuição: dízimos e ofertas

Malaquias - 3 - 10 : 10
O assunto mais doloroso para muitos crentes é o dinheiro. Alguns irmãos dizem nas igrejas: “ Nosso pastor precisa deixar de falar em dinheiro e só pregar o evangelho”. Infelizmente esses irmãos desconhecem a mordomia e o evangelho. Falar em mordomia é falar em dinheiro,e quem conhece o evangelho entende que a pregação do evangelho visa a totalidade do homem, incluindo seu dinheiro. Quem quer separar a vida material da vida espiritual simplesmente desconhece o evangelho.A Bíblia ensina o dizimo como base da pratica da mordomia cristã ( Lev. 27.30). Antes da lei, a pratica do dizimo já existia. A lei formalizou e sistematizou a pratica, e os profetas pregaram a necessidade da sua observância. O Novo Testamento menciona o dizimo só de passagem, mas nessas instancias não o condena ( Mt 23.23; Lc 18.12; Hb 1.5-9)A contribuição deve ser uma extensão do compromisso que se tem com o louvor a Deus e com a propagação do Reino de Deus. As nossas ofertas deve ser a extensão de nosso culto racional. E culto racional é a entrega da vida no altar de Deus como resposta humana as misericórdias de Deus ( Rm 12.1-3). Pois, quem sabe que pode e deve contribuir com a mesma alegria com a qual confessa sua fé, estuda sua Bíblia, exerce discernimento, providencia socorros e manifesta amor, já atingiu aquele nível que se pode chamar de espiritualmente maduro.É à igreja e através da igreja que o crente deve entregar seus dízimos e ofertas. O crente exerce a sua mordomia ao entregar seus dízimos e ofertas a igreja, de acordo com o propósito de Deus para sua vida. Se o destino final dos dízimos e ofertas é Deus, o lugar para entregar a oferta deve ser a Casa de Deus. Quando entregamos os nossos dízimos e ofertas, estamos demonstrando nosso amor e dedicação a Deus. O motivo de contribuir deve ser o amor a Deus e a Sua Palavra. Sob a Graça somos livres da exigência da lei, mas o amor não é mais barato do que a lei. Vamos além da lei. A quantia começa com o dizimo, mas não para ai; vai crescer conforme Deus nos fizer prosperar. O crente entrega o dizimo porque o dizimo oferece o modelo para iniciar e desenvolver o esvaziamento de si mesmo, por amor a Deus.REFERENCIAS AO DIZIMO1- Abrão e o Dizimo – Gn 14.20; Hb 7.4-10 – Demonstrou submissão a Deus dando o dizimo ao sacerdote.2- Jacó e o Dizimo – Gn 28.22 – Fez voto que daria o dizimo de tudo que Deus lhe dera, em sinal de louvor e gratidão3- A lei e o dizimo – Como dar o dizimo; a espécie de dizimo; o resultado do dizimo – Lv 27.30-32; Nm 28.29; Dt 14.22-23; 12. 6-17 ; Ne 12.44; 13.12; II Cr 31.5-12 ; Ml 3.8-10.4- A quem dar o dizimo – Aos levitas, na casa do Senhor – Nm 18.21-24; Dt 14.28. Ne 10.37-385- Jesus e o Dizimo – Há duas referencias ao dizimo; em ambas Jesus estava condenando os fariseus: a) Mt 23.23; Lc 11.42. Jesus não condenou a pratica do sistema do dizimo, mas a falta de justiça e de espiritualidade. Jesus está na verdade condenando a legalidade dos fariseus. O que Jesus está condenando é a vida e pratica dos fariseus. b) Lc. 18.21; Hb 7:4-9 – Jesus novamente condena a tentativa de auto-justificação por meios externos – o legalismo. Jesus condenou o motivo da entrega do dizimo, e não o dizimo em si. Aqui Jesus está comparando o fariseu e o publicano, e a condição espiritual de cada um.A idéia de DAR aparece 1.552 vezes na Bíblia. Veremos os mais importantes versículos que falam sobre essa graça: DAR a Deus, ou ofertar segundo as instruções de Deus.NO VELHO TESTAMENTO1- Caim e Abel entregaram ofertas como sacrifício a Deus – Gn 4.1-92- Deus espera as primícias – os primeiros frutos – Ex 22.29-313- Oferta voluntária ao Senhor –Nm 31.48-544- Dar conforme Deus tem abençoado e não aparecer de mãos vazias – Dt 16.16-175- Ofertas dadas a Davi e depois oferecidas ao Senhor – II Sm 8.9-116- Tudo é de Deus, e Ele nos dá para que possamos dar – II Cr 29.14-167- “honra ao Senhor com teus bens” – Pv 3.9.10NO NOVO TESTAMENTO1- Os sábio Magos trazem presentes a Jesus – Mt 2.112- Jesus condena a atitude dos fariseus que davam para serem vistos – Mt 6.1-23- Jesus pede ao jovem rico que dê seus bens para remover a barreira espiritual de amor ao dinheiro – Mc 10.17-224- A mulher derramou um vaso de alabastro sobre a cabeça de Jesus. Uma linda demonstração de dar por gratidão e amor – Jô 12.1-85- Oferta da viúva pobre. Ela recebeu elogio de Jesus por causa da magnitude da expressão de seu amor em comparação com a oferta dos outros. Ela deu Tudo Lc. 21.1-4; Mc 12.41-44.6- Os primeiros cristãos tinham tudo em comum – At2.44-457- O crescimento na graça e no galardão de dar – II Co 9.6-158- A fé viva é dar dos bens para servir aos outros – Tg 1.27;2.16; I Jô 3.17-18Que Deus nos livre da mesquinhez e da mediocridade e nos conduza à generosidade, ao gênero humano, à plenitude da estatura de Cristo, à imagem de Deus também nas nossas contribuições. Pois, como nos diz o apostolo Paulo: “ Tenho-vos mostrado em tudo que trabalhando assim, é mister socorrer aos necessitados, e recordar as palavras do próprio Senhor Jesus: Mais bem-aventurado é dar do que receber” ( At 20.35).
Este texto foi tirado do site sermão

o amor a riqueza



Ser bem sucedido na vida é algo bom, mais ser arrogante egoísta mão de vaca, ambicioso, é algo muito mau, isso é amor ao dinheiro é uma idolatria a Mamom (riqueza), o crente deve ser cauteloso vigilante e sóbrio tem que ter uma vida diária de oração a Deus para que não se contamine com a avareza, não estou dizendo que ser rico é uma maldição não é isso o amor a riqueza se torna uma maldição, ser prospero é uma benção, o nosso pai na fé Abraão era um homem bastante rico, mais só que ele era temente a Deus e nunca deixou que a avareza entrasse em seu coração, existiram muitos homens de Deus que foram bem sucedidos na vida, se o ímpio pode ser bem sucedido? Porque que o servo de Deus não pode? É o que muitos pensam precisam meditar mais na palavra e pedir ao Espírito Santo que venha esclarecer seu entendimento, Deus nos abençoa porque nós somos fies a ele, Deus acrescenta porque nós somos fies nos dízimos e nas ofertas porque nos lembramos dos necessitados, porque amamos o nosso próximo, mais tem um porem o crente que deixa que a riqueza entre em seu coração já se tornou avarento e assim fica difícil entrar no reino de Deus, por isso não se esqueçam que todas bênçãos que Deus nos de, vamos orar pedindo sabedoria e inteligência para podermos usá-las pois se não tivermos inteligência em usá-las estaremos cometendo pecado contra Deus.

O amor ao próximo (o maior madamento).


A paz do Senhor, compreendo que o mundo carrega maldades, não vemos as pessoas que em seu convívio social demonstre sua gratidão e amor ao seu próximo, vemos somente guerras intrigas, maldades em seu meio, nós que cremos e aceitamos Jesus Cristo como nosso Salvador, não praticamos mais os atos do mundo, estamos limpos de toda sua maldades, porque vivemos em momento de oração a Deus, mais estamos sujeitos a pecar pois ainda habitamos no corpo de pecado e somente quando ocorrer o arrebatamento seremos transformado e passaremos ter um corpo incorruptível sem pecado, por isso temos que cumprir o mandamento de Cristo, para vivermos segundo sua vontade,Jesus nos deixou um grande mandamento que é amar a Deus acima de todas as coisas, e toda a nossa força e de todo o nosso entendimento, e amar o nosso próximo como a nós mesmo, este semelhante ao nosso amor para com Deus, e dele depende a lei e os profetas.
Este amor é um amor (ágape) que quer dizer amor fraterno, que devemos amar não somente os nossos irmãos em Cristo mais também os pecadores pois eles necessitam do perdão e salvação pois suas almas clamam por socorro por isso devemos sentir amor e compaixão pelo pecador, sentir amor pelo pecador não é se conformar pelos seus atos que ele faz como pecador mais pela sua alma, diz um estudioso da Bíblia Sagrada que o amor ao próximo tem que ser somente para com nossos irmãos em Cristo, dependendo da denominação ou doutrina e que não devemos amar o pecador, eu não concordo com esta tese, pois Jesus nos ensinou assim: “Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo?
E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo?”
“Portanto, sede vos perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste.” (Mt 5.46-48.).
Este é o mandamento que Cristo nos deixou encarregado de cumpri-lo se fazermos conforme sua vontade.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

IGREJA VOZ DA VERDADE

INTRODUÇÃO.

Esse grupo religioso ficou conhecido no meio evangélico por causa do conjunto de mesmo nome. O Pastor e vocalista Carlos A Moysés costuma distribuir em seus shows, um CD cujo título é O Mistério de Deus – Cristo. Nele o referido pastor faz apologia das doutrinas unicistas, que sustenta haver uma única pessoa que se manifestou ora como Pai, ora como o Filho e como Espírito Santo cujo nome seria Jesus. Prega ainda o batismo somente em nome de Jesus.I – História da Igreja Voz da VerdadeDados do site oficial diz que esta igreja foi fundada oficialmente em 1978 em Santo André – São Paulo - por Fued Moysés. Ele se converteu no cinema, durante uma sessão do filme Quo Vadis. Fued conta que Jesus lhe tocou a face, saindo da tela de projeção em carne e osso, e, naquele momento, ter-lhe-ia dado a incumbência de pregar o Evangelho, mas infelizmente o pastor de origem árabe, recebeu a influência de missionários unicistas americanos, que fundaram a Igreja Pentecostal Unida no Brasil. Conta o pastor Carlos Moysés, que quando seu pai começou a pregar a doutrina unicista, perdeu metade dos membros da igreja.Os jovens gostam ou gostavam muito desse conjunto, por causa de seu estilo, que se ajusta ou ajustava bem ao espírito juvenil.Há três grupos religiosos que com muita facilidade ainda têm acesso a púlpitos de muitas igrejas genuinamente evangélicas e conseguem se camuflar no meio do povo de Deus. Eles não são ortodoxos, ou seja, são contra o Cristianismo histórico, revelado na Bíblia e, por isso, representam uma ameaça à unidade e a doutrina da Igreja. São eles: a Igreja Local de Witness Lee, a Igreja Voz da Verdade e a Igreja Adventista.1 – onde está o problema?Antes de tudo é preciso escoimar a acusação por vezes perpetuada de que nós estamos perseguindo o tal conjunto e sua igreja. Longe disso, tão somente queremos alertar aqueles que buscam com sinceridade a verdade do evangelho a discernir melhor entre heresia e ortodoxia. Mas há quem afirme que se trata de uma questão meramente secundária, isso de ambas as partes. Outros entendem que o problema não é grave, dizendo que o Espírito Santo não está preocupado com sistemas teológicos como trinitarismo, nem com o unicismo. Respeitamos tais opiniões, todavia afirmar tal coisa é o mesmo que dizer que o Espírito Santo não está preocupado com a verdade, sendo que ambas as correntes: trinitarismo e unicismo se excluem mutuamente. Por isso, apresentaremos a raiz do problema, para que cada cristão possa discernir e compreender a questão. Antes, porém, convém analisar as raízes históricas da teologia unicista. II –Antecedentes histórico1 – Desenvolvimento Histórico da HeresiaNo segundo século da era cristã, a Igreja saiu ilesa contra o gnosticismo (doutrina que negava o Jesus homem). Diziam que Ele teve um corpo docético – fantasma – e por isso não sofreu.Perguntas que surgiram:Se Jesus é Deus absoluto como fica o monoteísmo judaico—cristão?Se o Logos é subordinado ao Pai, isso não compromete a divindade de Jesus?Para tentar responder a estas questões surgiram algumas tendências heréticas, tais como:Monarquianismo – expressão derivada da exclamação: “Monarchiam tenemus. “conservamos a monarquia” ( Tertuliano, Adv. Praxeam 3). Apresentava duas correntes: os dinâmicos e os modais.Dinâmicos – diziam que Deus deu força e poder (dynamis ) a Jesus, adotando-o como Filho. Negando assim a divindade absoluta de Jesus, e também a Trindade – era o prenúncio do arianismo, que negava a eternidade de Jesus.Modais – ensinavam que as três Pessoas da divindade se manifestavam por vários modos, daí o nome modalista. Desenvolveram a idéia de que o Pai nasceu e o Pai sofreu, sendo eles jocosamente classificados por Cipriano de patripassionistas..2 – história do unicismo moderno (o retorno da velha heresia sabeliana)Essa doutrina surgiu em uma reunião pentecostal das igrejas Assembléias de Deus realizada em abril de 1913, em Arroyo Seco, nos arredores de Los Angeles, na Califórnia, numa cerimônia de batismo. O preletor, R. E. McAlister, disse que os apóstolos batizavam em nome do Senhor Jesus e não em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, e quando as pessoas ouviram isso ficaram atônitas. McAlister foi notificado que seu ensino possuía elementos heréticos. Ele tentou esclarecer sua prédica, mas ela já havia produzido efeito. Um de seus ouvintes era John Sheppe que após aquela mensagem, passou uma noite em oração, refletindo a mensagem de McAlister e concluiu que Deus havia revelado o batismo verdadeiro que seria somente em nome de Jesus. Também Franck J. Ewart, australiano, adotou essa doutrina e em 15 de abril de 1914 levantou uma tenda em Belvedere, ainda nos arredores de Los Angeles, e passou a pregar sobre a fórmula batismal de Atos 2.38. Comparando com Mt 28.19, chegou à conclusão de que o nome de Deus seria então somente o nome Jesus.É verdade que o batismo somente no nome de Jesus era praticado por pastores pentecostais como Howard Goss e Andrew Urshan, mas foi somente com Franck J. Ewart que o batismo em nome de Jesus desenvolveu teor teológico próprio. Assim, em 15 de abril de 1914, Franck J. Ewart e Glenn Cook se batizaram mutuamente com a nova fórmula. Esse movimento começou então a crescer em cima dessa polêmica e ficou conhecido por vários nomes como: Nova Questão, movimento Somente Jesus, o Nome de Jesus, Apostólico, ou Pentecostalismo Unicista.A essência da doutrina unicista é a centralização no nome de Jesus. Os teólogos unicistas entendem que a expressão em nome, de Mateus 28.19 referindo ao Pai, Filho e Espírito Santo são apenas nomes singulares de Jesus. Assim, o que parecia ser apenas uma polêmica referente à fórmula batismal resultou na negação da doutrina da Trindade. Os unicistas não aceitam a pluralidade de pessoas na unidade Divina, qualquer referência à idéia de Trindade eles interpretam como sendo várias manifestações de Deus ou de Jesus. Logo não são contra a Trindade pelo fato de não crer que Jesus seja Deus, mas ironicamente pelo fato de crer que Deus é só Jesus.3 – Principais grupos unicistas modernos-Igreja Evangélica Voz da Verdade (IEVV);-Igreja Só Jesus;-Igreja Local (Witness Lee)-Adeptos do Nome Yehoshua e Suas Variantes;-Tabernáculo da Fé.-A Voz da Pedra Angular (Willian Soto Santiago)-Ministério Internacional Creciendo en Gracia-Igreja Cristo Vive (do apostolo Miguel Ângelo)-Pentecostal Novo Nascimento em Cristo e outras...4 - Os Quatro ErrosSão basicamente quatro os erros principais que polemiza a teologia da igreja ivv, são eles: 1 – A natureza de Deus (A Doutrina da Trindade);2 – A natureza de Cristo;3 – A fórmula batismal e;4 – O significado do batismo.iii – a natureza de deus (a doutrina da trindade)1 – o que o ministério voz da verdade prega e crê (ivv)O Ministério Voz da Verdade crê que existe UM SÓ DEUS,e não TRÊS DEUSES. Um só Deus ,se manifestando de várias formas: como PAI,criador do mundo,como FILHO,veio resgatar o homem do pecado e como ESPÍRITO SANTO está atuando hoje em nossas vidas.(site oficial)2- Análise das Crenças Unicistas da Igreja Voz da VerdadePara nós, trinitaristas, Jesus é uma pessoa muito amada a quem tributamos honra, glória e louvor (Ap 5.11-13). Nestes versículos bíblicos, Jesus, o Cordeiro, recebe com Deus, o Pai, adoração de todos os anjos do céu.Demais disso, não cremos tampouco em três deuses, isto se chama triteísmo. Este falso conceito de Deus divide a substância divina conseqüentemente em três Seres separados. Por outro lado, a crença ortodoxa na Trindade nunca admite isso, pois as escrituras falam de um só Deus e não três.Inquestionavelmente, aceitamos que Jesus é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, com apoio de Cl 2.9, que diz: Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade. Duas naturezas – a divina ...e o Verbo era Deus (Jo 1.1); e a humana ...e o Verbo se fez carne (Jo 1.14) em uma só pessoa.Paralelamente, afirmamos com 1 João 5.20, que Jesus é o verdadeiro Deus: E sabemos que já o Filho de Deus é vindo e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna (destaque nosso). Mas a IVV não crê assim, como lemos na sua declaração de fé citada: colocam o Pai e o Filho como personificações e não como personalidades distintas na Trindade.3 – a bíblia – um livro cristocêntricoQue a Bíblia fala de uma pessoa central e que a Bíblia é um livro cristocêntrico, não há dúvidas. Que há um só Deus e que o primeiro mandamento proíbe a existência de outros deuses, nenhum cristão genuíno nega Não terás outros deuses diante de mim (Dt 5.7).No entanto, Deus é uma palavra polissêmica que se emprega para o Pai (Ef 1.3), para o Filho (1 Jo 5.20) e para o Espírito Santo (At 5.3-4). Tanto é que Deus em Gn 1.1 se aplica à Trindade, pluralidade em unidade. No princípio criou Deus (Elohim) o céu e a terra. A palavra Elohim aparece cerca de 2.500 vezes nas Escrituras hebraicas. Isso é repetido em Gn 1.26 quando o verbo façamos e o pronome nossa aparecem no plural indicando uma pluralidade na unidade. Pluralidade de pessoas e unidade de natureza. Que outra maneira haveria de explicar-se o emprego dessa palavra senão para indicar a pluralidade de pessoas nesse único Deus?Acresce de importância quando se sabe que existe uma palavra Eloah para referir-se a Deus de modo singular. O uso de Elohim, com referência à Trindade, se torna mais acentuado pelo fato de que a palavra se usa algumas vezes em concordância com verbos e pronomes no plural, enfatizando-se a forma plural da palavra.alguns exemplos:Gênesis 1.26: E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança...Nota: O uso do verbo façamos e do pronome nossa é revelador do sentido de que Elohim serve para indicar a pluralidade de pessoas. Sabemos que o nome Elohim por si só não prova a unidade composta, no entanto o contexto apóia a unidade composta de Deus (Gn 1.26; 3.22; 11.7).Gênesis 3.22: Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente.Nota: O uso do pronome plural nós indica pluralidade de pessoas.Gênesis 11.7: Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro.Nota: Enquanto o substantivo Deus está no singular, os verbos desçamos e confundamos flexionam-se na primeira pessoa do plural indicando pluralidade de pessoas na unidade.De modo algum podemos dizer que há uma só pessoa na divindade, os fatos quando claramente analisados não comportam tal idéia.4 - contra a trindadeO senhor Antonio Carlos Prieto Martins, no artigo Manifestações de Deus e não de Pessoas Distintas no site oficial do Conjunto Voz da Verdade declara: O principal motivo da doutrina romana é confundir os crentes salvos em Cristo Jesus, os quais possuem um contato íntimo com Deus e sabe muito bem quem é Deus, e de nada é confundido. Essa doutrina de que existem 3 Pessoas distintas é tão contraditória, que quem tenta explicá-la, acaba se confundindo e diminuindo o poder de Deus.Vocês não crêem na Trindade?Resposta: “Não cremos neste conceito de TRINDADE onde apresentam 3 pessoas distintas,separadas,pois neste conceito Jesus fica menor e sabemos que Jesus não é o filho eterno.” “Este conceito de trindade coloca Jesus em segundo lugar,tirando a glória Dele.”(site oficial)Resposta Apologética:Se estas palavras partissem de uma Testemunha de Jeová entenderíamos a falta de critério usado na abordagem da questão, mas partindo do site de um conjunto que se diz comungar com as igrejas evangélicas, isto é tanto inadmissível como perigoso. A doutrina da Trindade já existia muito antes de aparecer a Igreja Católica. O termo foi cunhado já no início do II século em sua forma grega, primeiramente por Teófilo; e em sua forma latina, por Tertuliano.O Concílio de Nicéia em 325 a.D. reconheceu a deidade absoluta de Jesus, contestando a doutrina de Ário, que ensinava ser Jesus uma criatura de Deus. É preciso ainda diferenciar tecnicamente entre Trindade Ontológica e Trindade Econômica para não cairmos no mesmo erro da citação acima de que Este conceito de trindade coloca Jesus em segundo lugar,tirando a glória Dele. Por Trindade Ontológica queremos dizer que a divindade co-existiu por toda a eternidade tendo a mesma substância, poder e glória iguais. Já a Trindade Econômica é como esse mesmo Deus Triúno se manifestou na história do mundo, em específico na salvação do homem. Há como uma divisão de tarefas para cada membro da Trindade: primeiro o Pai planejou, segundo o Filho executou esse plano de redenção deixando a última parte ao Espírito Santo, o qual aplica a regeneração e a santificação desta obra no coração do salvo. Daí a seqüência: 1º - Pai, 2º - Filho e 3º - Espírito Santo. Erra barbaramente quem pensa que esta seqüência prova algum tipo de desigualdade entre os membros da Trindade. É puramente uma questão funcional e não de natureza.5 - Uso de Palavras Não-bíblicasFreqüentemente os unicistas desafiam para provar que se mostre na Bíblia a palavra Trindade, alegando que essa palavra não se encontra na Bíblia.Resposta Apologética:Primeiramente, a argumentação de que a palavra Trindade não é encontrada na Bíblia é algo de pouca monta, já que a doutrina da Trindade é evidente através das Escrituras Sagradas. Não devemos supor, que pelo fato de o nome do senhor Carlos Moysés não estar escrito em sua casa, que não deve morar lá nenhum Carlos Moysés. Mas é justamente isso que fazem os unicistas da IVV. A esse respeito declarou Myer Pearlman: É verdade que a palavra Trindade não aparece no Novo Testamento; é uma expressão teológica, que surgiu no segundo século para descrever a divindade. Mas o planeta Júpiter existiu antes de receber este nome; e a doutrina da Trindade encontrava-se na Bíblia antes que fosse tecnicamente chamada Trindade (“Conhecendo as Doutrinas da Bíblia.” Myer Pearlmen. Ed. Vida,1977, p. 51). Essa analogia de Myer Pearlmen é suficiente para refutarmos a argumentação de que a palavra Trindade não aparece na Bíblia, já que o fato da palavra não aparecer na Bíblia não significa que essa doutrina não seja bíblica.Em segundo lugar, é importante lembrar que os unicistas também utilizam palavras que não se encontram na Bíblia. Palavras como manifestações, modos do Pai, Filho e Espírito Santo, não se encontram na Bíblia. Seus livros estão cheios de expressões como Paternidade de Cristo, o Deus homem etc. Inclusive a expressão A Voz da Verdade não se encontra na Bíblia.6 – O Significado de Pai e Filho na DivindadeOs unicistas afirmam que se a doutrina da Trindade for aceita isto conduz a uma absurda conclusão de Jesus ter dois pais divinos, pois a Bíblia afirma que Jesus foi concebido pelo Espírito Santo (Lc 1.35) e ainda foi chamado Filho de Deus. Como poderia Jesus ser chamado Filho de Deus e ao mesmo tempo ser gerado pelo Espírito Santo? ...se o Pai fosse uma pessoa distinta e o Espírito Santo outra pessoa,quem seria o Pai do homem Jesus? (site oficial)Como poderia, perguntam, a segunda pessoa da Trindade ser gerada pela terceira Pessoa da Trindade?Resposta Apologética:Esse argumento é igual ao usado pelos mórmons quando falam da Trindade. No entanto, os mórmons admitem uma mãe celestial e que o Pai celestial desceu do céu com um corpo de carne e ossos e gerou de Maria a Jesus, retornando ao céu. Quando a Bíblia fala sobre o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo (Ef 1.2-3) e Jesus como Filho de Deus não está expressando que Deus foi literalmente o progenitor de Jesus, ou de Jesus como sendo de literal progênie de Deus Pai. Tal conceito leva a admitir que Deus tem características sexuais humanas. Essa admissão é encontrada em mitologias pagãs, mas completamente estranha à revelação bíblica.Quando nós, com base nas Escrituras, chamamos a Deus de Pai e Jesus de o Filho estamos falando simbolicamente e não literalmente. Estamos dizendo que o relacionamento amoroso que existe entre Deus Pai e Jesus é semelhante ao amor de um pai para com o seu filho, mas sem as características que existem no relacionamento entre pai e filho, fisicamente falando. Quando entendemos isso, não vemos problemas em afirmar que aquele que criou o corpo humano de Jesus foi o Espírito Santo (Jo 1.14), muito embora o Pai e o Espírito Santo sejam pessoas distintas na divindade.7 – a questão das expressões: sociedade, sócios ou semelhantesO Conjunto Voz da Verdade declara: Observação: A Bíblia nos alerta quanto à quantidade variada de deuses. Portanto, é na própria Bíblia onde encontramos a afirmação que não há trindade ou variedade de deuses... pois jamais o Senhor permitiria sociedade em sua divindade.Resposta Apologética:Cremos na existência de um só Deus eternamente subsistente em três Pessoas: O Pai, o Filho e o Espírito Santo (Gn 1.26 comparado com Mt 28.19). Não somos triteístas. Somos monoteístas (Is 43.10; 44.6 comparado com Ap 1.17; 48.12).Outra observação importante que devemos fazer é que estranhamente este argumento utilizado pela Igreja Voz da Verdade é o mesmo usado no islamismo. Assim como o Pr. Carlos Alberto Moysés declara várias vezes que Deus não tem sócios, sociedade ou semelhantes, Maomé no sétimo século declarava também. Ambos confundem a unidade composta de Deus, e por não entenderem a pluralidade de pessoas na unidade divina, concluem precipitadamente que se trata de uma sociedade ou sócios.A Igreja Voz da Verdade declara:Dizemos que são manifestações de UM DEUS SÓ,somente não cremos que sejam 3 Pessoas distintas (separadas) cada um com a sua personalidade,como é pregado, pois sendo assim seriam 3 Deuses e não UM.E sabemos que DEUS É UM. Vou escrever novamente para que não haja dúvidas: Deus é o PAI,O MESMO DEUS É O FILHO,O MESMO DEUS ESTÁ HOJE CONOSCO COMO ESPÍRITO SANTO.( Site oficial - Suely Moysés Cufone)Resposta Apologética:Primeiramente, o Espírito Santo procede do Pai e não é o Pai. Mas, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito de verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim (Jo 15.26). Se Jesus é tanto o Pai como é o Filho então porque Jesus apelou para o Pai como sua testemunha: E, se na verdade julgo, o meu juízo é verdadeiro, porque não sou eu só, mas eu e o Pai que me enviou. E na vossa lei está também escrito que o testemunho de dois homens é verdadeiro. Eu sou o que testifico de mim mesmo, e de mim testifica também o Pai que me enviou (Jo 8.16-18)?Essa defesa de Jesus perante seus adversários só teria validade se o Pai fosse uma pessoa diferente da do Filho e não o próprio Filho. Será que as palavras perderam o sentido? Se não perderam vemos então duas pessoas: o Pai, dando testemunho de Jesus. Não podemos perder de vista também o fato de que em João 5.32 está escrito: “Há outro que testifica de mim...” Aqui o termo empregado para outro foi allos que denota, mais uma vez, uma pessoa diferente daquela que está falando. Segundo o Greek English Lexicon of the New Testament and Other Early Christian Literature, significa outro da mesma raça (citado na Teologia Sistemática, Stanley M. Orton – CPAD Pág. 682) . O “Dicionário Vine” declara O termo allos denota uma diferença numérica e denota “outro do mesmo tipo”(pág. 839). Este termo é o mesmo que aparece em João 5.7-43 para falar de outra pessoa distinta e não de meras manifestações.(conf. Concordância Fiel do Novo Testamento Vol. I, Grego-Português, pág. 35). Segundo, Jesus não é o Pai, pois ensinou a orar: Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome (Mt 6.9). Jesus estava na terra e o Pai estava no céu. E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele. E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo (Mt 3.16-17). Perguntamos: quem falava do céu, enquanto Jesus saía das águas?7 - Pode deus ser mais de uma pessoa?Observemos a confissão de fé judaica que reza: “Shema,Israel:Adonai Elohenu Adonai Echad” Embora o texto áureo do monoteísmo: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor (Dt 6.4), diga que Jeová é “único” ou “um”, esta unidade, entretanto, não é absoluta. A palavra único no original “echad” está no construto, revelando uma unidade composta. Semelhantemente, a palavra (echad) aparece com a mesma idéia de pluralidade em Gênesis 2.24 onde diz que Adão e Eva ...serão ambos uma só carne (cf. 11.1-6; Ez. 37.17I Co. 6.16-17). Ninguém jamais pensou em fabricar uma imagem de Adão com duas máscaras! A IVV deveria saber que a palavra com idéia de unidade absoluta é yachid, usada em Gênesis 22.2 onde diz “Toma agora o teu filho o teu único filho...” e também Provérbios 4:3 Jeremias 6;26, e não yachad usada no texto em lide.Ainda levando em consideração o fato de os judeus em seus confrontos com os cristãos não saberem responder a estes sobre a Trindade, resolveram em seu “Princípios de Fé” trocar a palavra “echad” por “yachid”, mostrando uma flagrante contradição com o texto hebraico original. (As Seitas Perante a Bíblia – pág. 59-61, César Vidal Manzanares, ed. São Paulo – 1994)Junta-se a este testemunho uma citação de Zoar, um dos clássicos da literatura judaica: “Escuta, ó Israel: Yavé nosso Deus, Yavé é uno. Porque haverá de mencionar o nome de Deus nesse versículo? O primeiro Javé é o pai de cima, o segundo é a descendência de Jessé, o messias que virá da família de Jessé passando por David. O terceiro é o caminho que está debaixo, isto é, o Espírito Santo que nos mostra o caminho, e estes três são um”. (ibdem )ELOHIMA palavra hebraica Elohim que se encontra em Gn 1:1, 16,26 e em muitos outros é a forma plural de Eloah. Muitos têm alegado que essa palavra expressa apenas um plural majestático, mas não há um consenso entre os estudiosos e mesmo entre os rabinos judaicos, pois eles não entendendo perfeitamente essa palavra e tentando preservar o monoteísmo judaico, deram o nome de plural de majestade, entretanto um dos maiores rabinos de Israel, Shimeon Ben Joachi pronunciou a respeito dessa palavra o seguinte: “ Observai o mistério da palavra Eloim;encerra três graus,três partes;cada uma destas partes é distinta,e é uma por si mesma, e não obstante são inseparáveis uma da outra; estão unidas juntamente e formam um só todo ” (“Como Responder às Testemunhas de Jeová” Vol. I, Esequias Soares da Silva, editora Candeia)IV –Natureza x PersonalidadeQue uma pessoa sem muito conhecimento bíblico confunda natureza com personalidade é desculpável. Mas é lamentável que um pastor que sai em defesa de suas convicções doutrinárias ignore esses princípios elementares do significado dessas palavras. Tal circunstância leva confusão aos grupos evangélicos de todo o Brasil, onde o Conjunto Voz da Verdade é muito apreciado.Qual a diferença entre natureza e personalidade?Natureza: é a essência ou condição própria de um ser. O Pai é uma pessoa espiritual e sua natureza é absolutamente divina. Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos (1 Pe 1.3).Personalidade: é individualidade consciente. Personalidade indica um ser que tem inteligência, vontade própria e sensibilidade, tal é a Persona Deitatis. O Pai éuma pessoa espiritual, com vontade própria (1 Co 12.11), inteligência (1 Co 2.10); e sensibilidade (Ef 4.30), assim também é o Filho e o Espírito Santo.1 – Pai – Personalidade ou Natureza Divina?O Voz da Verdade Declara:Quando falamos Pai é a divindade e quando falamos Jesus é o Filho?Sim,quando Filipe perguntou a Jesus mostra-nos o Pai,é o que nos basta.Jesus falou:HÁ TANTO TEMPO ESTOU CONVOSCO E NÃO ME TENDES CONHECIDO,AS OBRAS QUE EU FAÇO NÃO FAÇO POR MIM MESMO MAS O" PAI QUE ESTÁ EM MIM "É QUEM AS FAZ. Resposta Apologética:Em nenhum momento a Bíblia aponta esta sutil diferença criada pelos unicistas da IVV. Aliás, quando são pressionados a responderem para quem Jesus orava, saem pela tangente com a resposta de que a carne estava orando ao espírito, o que é absolutamente irracional do ponto de vista bíblico. A Bíblia nunca faz confusão quanto a identidade e natureza do Pai e do Filho. O nome Jesus não tem anda a ver com a natureza de Filho. Raciocinemos: Se o nome de Deus Pai é Jesus, então por que o próprio Jesus disse que teria um novo nome. Demais disso diz ainda que escreveria o nome do seu Deus na nova Jerusalém. Então Deus e Jesus tem nomes diferentes, conseqüentemente duas pessoas distintas. 2 – Filho – Personalidade ou Natureza Humana?A Natureza de Jesus Vista pela IVVÉ lógico a parte humana chamava-se "FILHO" “O anjo disse a Maria: ...o ente santo que há de nascer “SERÁ “chamado FILHO DE DEUS. Será chamado , não era Filho antes. O ministério de "Filho"veio com o seu nascimento aqui na Terra.” (site oficial)Resposta Apologética:Como é possível que pessoas tão despreparadas venham argumentar sobre aquilo que desconhecem? O nome Jesus foi dado quando o Filho de Deus se fez carne. E dará à luz um filho e chamará o seu nome Jesus; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados (Mt 1.21) Jesus é o nome humano do Filho de Deus dado pelo anjo Gabriel a Maria: E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus (Lc 1.31).Para eles, o Filho, como pessoa espiritual, nunca existiu. Jesus, como Filho de Deus, passou a existir só depois do seu nascimento em Belém de Judá, pois Filho é apenas a natureza humana de Jesus.Esse ensinamento é tão grave, tão herético que em 1 João 2.22 lemos: Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? É o anticristo esse mesmo que nega o Pai e o Filho.3 – Espírito Santo – Pessoa Própria ou O Pai?“Deus que é Espírito,foi chamado de Pai e veio ao mundo como homem morrer pelos nossos pecados. Foi revelado seu nome aos homens: JESUS.” “Não existem 2 Espíritos,ou seja o Espírito do Pai que é Deus e o Espírito Santo. A Bíblia é bem clara UM SÓ ESPÍRITO.É este Espírito Santo que está atuando no nosso meio,hoje. (site oficial) Resposta Apologética:A Bíblia mostra a personalidade do Espírito Santo e não que o Espírito Santo é o Pai. Sua personalidade é demonstrada pelos atributos de pessoa que possui: a) inteligência (1 Co 2.10); vontade própria (1 Co 12.11) e sensibilidade ou emoção (Ef 4.30). Pode-se afirmar que uma pessoa é alguém que, quando fala, diz: EU; quando alguém se dirige a ela, diz: TU; e quando se fala dela se diz: ELA. Isso se vê do Espírito Santo em:E eu (Jesus) rogarei ao Pai, e ele vos dará outro[allos] Consolador (o Espírito Santo), para que fique convosco para sempre. Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai (Ele) enviará em meu nome (Eu), esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará (Ele) lembrar de tudo quanto (eu, Jesus) vos tenho dito (Jo 14.16-26).E, pensando Pedro naquela visão, disse-lhe o Espírito: Eis que três homens te buscam. Levanta-te pois, desce, e vai com eles, não duvidando; porque eu vos enviei (At 10.19-20). Além disso, o Espírito Santo exerce atividades pessoais, tais como: b) Ele ensina e faz lembrar os crentes (Jo 14.26); c) Ele testifica de Cristo (Jo 15.26); d) Ele guia em toda a verdade (Jo 16.13); e) Ele glorifica a Jesus (Jo 16.14); f) Ele intercede pelos santos (Rm 8.26).4 – A Quem Foi Paga a Nossa RedençãoA quem Cristo pagou o resgate? Se for negada a doutrina ortodoxa da Trindade (negando-se uma distinção entre as Pessoas da Deidade, conforme quer o modalismo), Cristo teria de pagar o resgate ou à raça humana ou a Satanás. Posto que a humanidade está morta em transgressões e em pecados (Ef 2.1), nenhum ser humano teria o direito de exigir que o Cristo lhe pagasse resgate. Sobraria, portanto, Satanás. Nós, porém, nada devemos a Satanás. E a idéia de Satanás exigir resgate pela humanidade é blasfêmia, por causa das implicações. Ao contrário: o resgate foi pago ao Deus Trino e Uno para satisfazer as plenas reivindicações da justiça divina contra o pecador caído: E andai em amor, como também Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave (Ef 5.2) (destaque nosso).Embora mereçamos o castigo decorrente da justiça de Deus (Rm 6.23), somos justificados pela graça mediante a fé em Jesus Cristo, somente: E é o que alguns têm sido, mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus (1 Co 6.11). Fica claro que a doutrina essencial da expiação vicária, na qual Cristo carregou nossos pecados na sua morte, depende do conceito trinitariano. O unicismo subverte o conceito bíblico da morte penal e vicária de Cristo como satisfação da justiça de Deus e, em última análise, anula a obra da cruz (“Teologia Sistemática”, Stanley M. Horton. CPAD, 1999, p. 180).5 - Argumentos de fácil refutaçãoBasicamente os textos bíblicos utilizados pelos grupos que defendem a idéia de que Jesus Cristo é o Pai e o Espírito Santo ao mesmo tempo, são: 1 - Eu e o Pai somos um (Jo 10.30). 2 - Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? 3 -Quem me - vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? (Jo 14.9) 4 - E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo (Jo 20.22). 5 - Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade (2 Co 3.17).1. Eu e o Pai somos um (Jo 10.30).Resposta Apologética:O artigo “Um” no grego, nesse versículo, está no neutro, hen, e não no masculino, heis, e mostra assim duas pessoas numa só Deidade. Além disso, o verbo está no plural “somos” e não no singular “sou”, não pode, portanto, Pai e Filho serem a mesma pessoa.Jesus não está dizendo que é a mesma pessoa do Pai, mas que Ele e o Pai, são duas pessoas distintas, em unidade divina. Portanto, João 10.30 deve ser entendido como uma declaração de Jesus da sua unicidade de natureza essencial com Deus, isto é, que Ele é essencialmente igual a Deus2. Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? (Jo 14.9).Resposta Apologética:Encontramos aqui uma reiteração da mesma substância da declaração do versículo 7 deste capítulo: Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto. Ver o Pai não consiste em meramente contemplar a sua presença corporal, mas em conhecê-lo. Fica subentendido que não ver o Pai, na pessoa de Jesus, é o mesmo que não conhecê-lo. O Filho é o único expositor do Pai aos homens (Mt 11.27; Jo 12.44-45; Cl 1.15; Hb 1.3; 1 Tm 6.16). O versículo seguinte destrói completamente os argumentos modalistas: “As palavras que eu vos digo, não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras”. Por ventura se eu orasse: “Senhor, permita que as pessoas te vejam em mim”, iria você pensar que eu e Deus somos a mesma pessoa? Claro que não!. Jesus tampouco estava tentando incutir em Filipe que Ele e o Pai eram a mesma pessoa, mas que tão somente Deus poderia ser visto mais facilmente em Jesus pelas obras realizadas através Dele.3. E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo (Jo 20.22).Resposta Apologética:O Senhor Jesus faz aqui uma doação preliminar do Espírito Santo, que era o símbolo da promessa e a garantia de que seria concretizada a vinda do Espírito Santo, quando o Senhor Jesus fosse glorificado (Jo 7.39). Essa vinda, em seu total poder, não poderia anteceder de forma alguma a ascensão de Jesus e a sua glorificação (Jo 16.7). Porém o Senhor Jesus quis mostrar que essa pessoa divina viria (Jo 14.16-26), por isso concedeu aos seus discípulos algo simbólico do poder que haveriam de receber mais tarde em plena medida (Atos 2).4. Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade (2 Co 3.17).Resposta Apologética:Neste versículo, a expressão Senhor se refere a Cristo, identificando o Espírito Santo com a mesma natureza e divindade de Jesus, e não que Ele seja a mesma pessoa. Basta observar que no versículo seguinte, o apóstolo separa as pessoas: Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor (2 Co 3.18).6 - Algumas Provas Bíblicas de Que Jesus Não é o Pai:Em todo o tempo em que Jesus esteve na terra, o Pai esteve no céu: Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus (Mt 5.16). Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus (Mt 5.48).Jesus disse que confessaria os homens que O confessassem, diante do Pai: Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus (Mt 10.32-33).O Senhor Jesus Cristo está hoje à destra do Pai: E, ouvindo eles isto, enfureciam-se em seus corações, e rangiam os dentes contra ele. Mas ele, estando cheio do Espírito Santo, fixando os olhos no céu, viu a glória de Deus, e Jesus, que estava à direita de Deus; E disse: Eis que vejo os céus abertos, e o Filho do homem, que está em pé à mão direita de Deus (At 7.54-56).Deus Pai é Pai de Jesus e não Jesus é Pai de si mesmo: Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor, Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo (Ef 1.3). Graça, misericórdia e paz, da parte de Deus Pai e da do Senhor Jesus Cristo, o Filho do Pai, seja convosco na verdade e amor (2 Jo 3).Jesus entregou o seu espírito a seu Pai e não a si próprio: E, clamando Jesus com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isto, expirou (Lc 23.46).Jesus conhecia o Pai, mas não era o Pai: Assim como o Pai me conhece a mim, também eu conheço o Pai, e dou a minha vida pelas ovelhas (Jo 10.15).7 – Algumas Provas Bíblicas de Que o Espírito Santo Não É Jesus:O Espírito Santo é um outro Consolador, procedente do Pai e do Filho: E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre (Jo 14.16). Mas, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito de verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim (Jo 15.26).O Filho pode ser blasfemado e o pecador culpado disso encontra perdão. Mas, se o Espírito Santo for blasfemado, essa pessoa não encontra perdão. Isto prova haver duas Pessoas: Portanto, eu vos digo: Todo o pecado e blasfêmia se perdoará aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada aos homens. E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado; mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste século nem no futuro (Mt 12.31-32).O Espírito Santo não veio falar de si mesmo ou glorificar a si mesmo, mas sim para glorificar a Jesus: Mas, quando vier aquele, o Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir. Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar (Jo 16.13-14).A descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes foi a prova de que Jesus havia chegado ao céu, onde se assentou à destra de Deus Pai: E isto disse ele do Espírito que haviam de receber os que nele cressem; porque o Espírito Santo ainda não fora dado, por ainda Jesus não ter sido glorificado (Jo 7.39). De sorte que, exaltado pela destra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis (At 2.33).Jesus afirmou, mesmo depois da ressurreição, que Ele não era espírito. Portanto, Ele não podia ser nem o Pai (Jo 4.24) nem o Espírito Santo (Jo 14.16-17-26; 15.26;16.7-15), pois esses são seres espirituais: Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho (Lc 24.39).Distinção muito clara é feita entre as três Pessoas da Trindade: Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizandoas em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo (Mt 28.19). A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja com todos vós. Amém (2 Co 13.14).vi – considerações finaisAs igrejas evangélicas unicistas são antitrinitaristas. No entanto, devemos apontar que seu antitrinitarismo não é igual à posição adotada pelos unitaristas (Testemunhas de Jeová). Pois os unicistas não nutrem idéias preconceituosas contra a divindade de Jesus, como é o caso do unitarismo. Ironicamente os unicistas são antitrinitaristas pelo fato de acharem que a divindade é exclusivamente a pessoa de Jesus, não compreende a unidade composta de Deus.Outra observação que devemos fazer é que os antitrinitaristas, na maioria das vezes, rejeitam a doutrina bíblica da Trindade, por não compreenderem a pluralidade de pessoas na deidade, já que para eles é impossível conceber a pluralidade de pessoas com o monoteísmo de Deuteronômio 6.4. Assim, acreditam eles que a doutrina da Trindade não passa de um triteísmo mascarado, logo politeísmo, contrário ao monoteísmo.Entendemos a dedicação e os muitos esforços humanos dos unicistas, em especial seu raciocínio para descrever e explicar Aquele que é essencialmente inexplicável ou como dizem os trinitarianos: A doutrina da Trindade é mistério – Verdadeiramente tu és o Deus misterioso, o Deus de Israel, o Salvador (Is 45.17 – Versão Atualizada).Finalmente, o autor evangélico Robert M. Browman Jr., declara com muita propriedade e profundo senso de responsabilidade: Existe a escolha, portanto, entre crer no Deus verdadeiro conforme Ele se revelou, com mistérios e tudo, ou crer num Deus que é relativamente fácil de ser compreendido, mas que tem pouca semelhança com o Deus verdadeiro, Os trinitários estão dispostos a conviver com um Deus a quem não conseguem compreender plenamente, já que adoramos a Deus conforme Ele se tem revelado.Dados colhidos do site oficial do Conjunto Voz da Verdade http://www.vozdaverdade.com.br, do ministério Voz da Verdade.

A Religião das estrelas por Wiglot "

A Religião das estrelasPor Wiglot "Tindale"(Extraído da Revista Defesa da Fé - Clique para assinar: www.icp.com.br)O que John Travolta, Tom Cruise, Michael Jackson, Juliette Lewis, Anne Archer e Lisa-Marie Presley têm em comum? Além da fama e do dinheiro, são adeptos da mesma religião: a Cientologia, cad a vez mais famosa entre os artistas de Hollywood. De onde surgiu? O que ensina esse movimento? Por que as pessoas estão dispostas a gastar grandes somas em dinheiro para participar dos seus cursos? Será que os ensinos da Cientologia são compatíveis com a fé cristã? O presente artigo tenciona responder a essas e outras questões. Polêmica em torno de seu fundador Fundada em 1954, no Estado da Califórnia (EUA), o idealizador dessa seita é Lafayette Ron Hubbard (1911-1986), filho de um comandante da marinha norte-americana. Segundo publicações da Cientologia ele seria formado em engenharia civil, com especialização em física nuclear, pela Universidade George Washington. "No entanto, os registros da escola revelam que ele cursou apenas dois anos, sendo que o segundo em regime probatório, tendo sido reprovado em física. Afirma-se também que ele teria Ph.D conferido por uma tal Universidade Sequoia da Califórnia, embora não haja provas de que exista uma escola superior com esse nome na Califórnia, qualificada para conceder títulos de doutorado".1 Hubbard se consagrou nas décadas de 30 e 40 como um prolixo escritor de ficção científica, chegando a escrever cerca de setenta e oito novelas desse gênero e outras obras. A biografia de Hubbard não é a das mais confiáveis, pois alguns de seus familiares resolveram romper com a Cientologia e emitiram depoimentos sobre Hubbard. Para seus seguidores, esses depoimentos não são aceitáveis, porque, segundo afirmam, faltam com a verdade. Entretanto, uma das palavras mais duras ditas sobre Hubbard veio de Ronald DeWolf, um de seus cinco filhos. DeWolf disse que seu pai era "um dos maiores trapaceiros do século".2 Desde pequeno, Hubbard costumava viajar com seu pai aos países do Oriente, o que despertou o seu interesse por diversas culturas e crenças. Mais tarde, estudou engenharia e física nuclear. Em 1950, ele publica o livro "Dianética: a Ciência moderna e a saúde mental"3 , que se tornou uma autoridade da Cientologia. Em 1959, mudou-se para a Inglaterra e, devido à forte oposição às suas idéias, deixou-a em 1966, passando a viver a bordo de um navio de 300 pés chamado Apolo, cercado de discípulos. Em 1967, começou a dirigir a Sea organization ( "Organização do mar"), sua congregação religiosa dentro da "Igreja da Cientologia". No ano de 1975, Hubbard voltou aos Estados Unidos, onde passou a levar uma vida cada vez mais discreta e retirada do público, inclusive de seus familiares. Foi então que começaram a surgir rumores sobre a eventualidade de seu falecimento. Ronald DeWolf entrou com uma petição judicial, num tribunal do Estado da Califórnia, para ser nomeado procurador dos bens do pai, alegando que ele havia morrido. Todavia, o tribunal descobriu que Hubbard estava vivo, vindo a falecer dez anos depois, mais precisamente em 1985, deixando mais de seis milhões de adeptos no mundo inteiro. A doutrina da CientologiaA palavra Cientologia, inventada por Hubbard, vem dos termos latinos scio, que significa conhecer, e logos, razão. Para os cientólogos, a Cientologia é uma religião cujo objetivo é "estudar o espírito, entender a relação de cada um consigo mesmo, com o universo e com outras formas de vida. É uma religião, uma sabedoria e uma ciência". Na verdade, trata-se de uma corrente de pensamento filosófico-religioso mesclada a técnicas psicoterápicas e doutrina budista.4 Segundo o próprio Hubbard, a religião criada por ele deve despertar no discípulo a consciência de que ele é imortal. É uma mistura de conceitos tirados do hinduísmo e das tradições cabalísticas. A Cientologia serve de base para uma série de técnicas como a psicanalítica (Dianética), e promete aos seus adeptos melhorar sua capacidade de comunicação e diminuir seus sofrimentos, ensinando-o a "lidar com as pessoas e seu meio".Fundamentos básicos:O homem é basicamente bom, composto de três partes: corpo, mente e espírito. É um ser imortal. Sua experiência vai muito além de uma só vida. Sua salvação depende de si mesmo, de seus semelhantes e de sua relação com o universo.O corpo é um componente indesejado do ser humano.A mente humana é limitada e não permite ao indivíduo tomar consciência de que ele é destinado a sobreviver . A mente é o sistema de comunicação entre o Thetan e o mundo ambiente.O espírito (na Cientologia, Thetan) é onisciente e imortal e, através da pista do tempo, percorre várias vidas. O espírito é tudo aquilo que você traz de bom e de ruim desta e de outras vidas. No início, todos os espíritos eram perfeitamente felizes num eterno presente, mas acharam que era uma situação aborrecedora e foi assim que, "para brincar", criaram o universo. Mas se tornaram vítimas do seu próprio "brinquedo", esquecendo-se de que o mesmo fora criado por eles.A teoria na práticaAtravés de sessões da Cientologia (auditing - audição), a pessoa passa por sete graus de purificação para libertar-se dos engramas (cicatrizes). No final desse processo, o adepto sai do estágio pré-claro para o claro. Isso, porém, é apenas a primeira etapa da purificação. A segunda é chamada de Operating Thetan ("Espírito operativo", o qual passaremos, a partir de agora, usar apenas as iniciais EO, quando nos referirmos a ele) que, por sua vez, compreende oito degraus. Nesta segunda grande fase, o Thetan passa a entender que o mundo visível não é uma realidade plena, mas, sim, aparente, e ele (o espírito) já não depende do universo que o cerca: "Uma das mais notáveis qualidades de um Thetan Operacional é a imortalidade pessoal e consciente e a liberdade relativamente aos ciclos do nascimento e da morte".5 Os cientólogos garantem que um EO pode praticar a exteriorização, ou seja, vaguear com o espírito "fora" do corpo. Nesse estágio, raramente adoece, é menos propenso a acidentes, tem memória total, QI superior a 135, imaginação criativa, vitalidade extraordinária, personalidade magnética, autocontrole, entre outras coisas. Entretanto, quando a morte vem, o Thetan vai para um lugar de descanso (Marte ou Pirinéus, segundo alguns), até que lhe seja atribuído um novo corpo. Um dos aspectos curiosos da Igreja da Cientologia é o fato de que seus membros, sem nenhuma objeção, podem pertencer a outras religiões ao mesmo tempo em que proclamam a reencarnação do espírito, doutrina que se choca com a de outras crenças. Os degraus finais desta fase (que vai do EO-1 a EO-5, além de outros EOs) são mantidos em segredo pela Cientologia. Os claros que chegam a esse estágio não podem levar os textos para fora das instalações da Igreja e muito menos têm o direito a cópias. Segundo uma reportagem do Washington Post, de 19/08/95, dados recolhidos num tribunal de Los Angeles mostram que os membros que participam dos cursos nas instalações especiais da Igreja têm de aceder com uma zona de acesso restrito, sendo escoltados por seguranças até uma sala fechada, onde podem consultar os textos, mas tudo isso vigiados por câmaras de vídeo. Apesar de todas essas medidas extraordinárias de segurança, críticos e antigos adeptos da Cientologia têm conseguido escapar ao cerco e distribuído os textos secretos da seita (o que leva a Igreja a tomar certas medidas).Um dos cursos secretos que demonstram a pura fantasia dos ensinos da Cientologia é o EO-3, que cobre supostos acontecimentos de 75 milhões de anos atrás. Nesse período, teria ocorrido um problema de superpopulação na "Federação Galática" (composta por 76 planetas), e o seu oficial Xenu teria sido escolhido para resolver o problema. Aparentemente, Xenu decidiu "congelar" milhões de seres e trazê-los à terra, mais precisamente no Havai e Las Palmas, onde as explosões nucleares, provocadas por oito vulcões, restauraram somente os espíritos dos exterminados. Os seres humanos seriam compostos por esses espíritos (e por alguns maus espíritos, os Body Thetans), e Xenu, capturado e aprisionado pelo seu crime. Quem sabe seja por isso que a capa do livro "Dianética" tem a imagem de um vulcão. Ao que tudo indica, todas essas coisas não passam de uma versão simples de alguns dos conceitos da Cientologia. Seus adeptos contam com grandes e numerosos volumes de literatura para que possam expandir-se nessas "ficções científicas".A Cientologia e o cristianismoEmbora haja por parte dos cientólogos considerável esforço em conciliar os ensinos de Hubbbard com o cristianismo (como se vê em diversas de suas publicações, como, por exemplo, a brochura intitulada Cientologia e a Bíblia), a verdade é que existe um enorme disparate entre a Palavra de Deus e os ensinos de Hubbard. Vejamos alguns:DeusDevido ao seu caráter eclético, a Cientologia tem procurado, nos últimos anos, assim como a Maçonaria, designar Deus simplesmente como "Ser supremo", "Força de vida", a fim de facilitar a entrada de pessoas de qualquer segmento religioso. Adotam, ainda, a posição politeísta: "Existem deuses que estão acima de todos os outros deuses, e deuses além dos universos".6 Em toda a Bíblia encontramos uma afirmação inflexível a favor do monoteísmo e da singularidade do Senhor Deus (Is 43.10,11; 44.6,8; 45.5, 21,22). O apóstolo Paulo é muito claro e enfático ao afirmar que, no que diz respeito ao mundo, "há muitos deuses e muitos senhores, todavia, para nós há um só Deus, o Pai de quem são todas as cousas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo" (1Co 8.5,6).O lugar de CristoHubbard formou o pensamento da Cientologia sobre Jesus Cristo tomando emprestado o mesmo ensino do Budismo, do Hinduísmo, do Taoismo e do Judaísmo: "teoria moral", que defende a idéia de que Jesus é apenas um exemplo de fé, de moral e de conduta. "Nem o senhor Buda e nem Jesus Cristo eram 'espíritos operativos' (do nível mais elevado), de acordo com as evidências. Eram apenas uma sombra limpa acima".7 Não compactuamos com esses ensinos da Cientologia, pois a Bíblia proclama que Jesus é o Filho de Deus, sendo vero e eterno Deus, de uma só substância com o Pai e igual a Ele. O único mediador entre Deus e os homens. Em todo o registro da vida do Senhor Jesus Cristo em suas palavras e ações, encontramos sua singularidade. No livro de Atos, Ele é chamado, muitas vezes, de o "Santo", o "justo" ( Is 9.6; Jo 1.1, 18; 8.58; 20.28; 1Jo 5.20; Fp 2.6; 2Pe 1.1; Hb 1.8-12; Tt 2.13; Rm 1.3,4; 1Tm 2.5; 1Pe 2.22; 1Jo 3.5; Hb 7.26; At 2.27; 3.14; 4.30; 7.52; 13.35). Hubbard fez várias declarações infundadas sobre Jesus. E uma delas foi que "Jesus era membro da seita dos essênios, que cria na reencarnação".8 Os essênios9 tinham um sistema de vida profundamente ascético, alimentavam-se frugalmente e possuíam um "Manual de Disciplina" que estabelecia regras para a vida da comunidade quanto ao que se podia comer ou não. Não aceitavam o sacrifício de animais. Impunham o celibato para seus membros, entre outras crenças. Basta uma leitura imparcial das Sagradas Escrituras para vermos que Jesus não era um "essênio". Jesus não se apartava do povo, não tinha restrições quanto à comida, chegando ao ponto de ser acusado pelos judeus: "Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e dizem: Eis aí um glutão e bebedor de vinho, amigo de publicanos e pecadores!". Os "essênios" primavam pela pureza exterior. Ao serem os discípulos acusados de comer sem lavar as mãos, Jesus os defendeu, dizendo: "Convocando ele, de novo, a multidão, disse-lhes: Ouvi-me todos, e entendei. Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa contaminar; mas o que sai do homem é o que o contamina" (Mc 7.14,15). Os essênios não criam na ressurreição do corpo. Não podiam harmonizar a idéia de um espírito puro reunido a um corpo de substância material, já que esta era má. Ao contrário, Jesus ensinou claramente que lhe era necessário sofrer muitas coisas e, por fim, ressuscitar: "Ao descerem do monte, ordenou-lhes Jesus que não divulgassem as coisas que tinham visto, até o dia em que o Filho do Homem ressuscitasse dentre os mortos" (Mc 9.9). Jesus se opôs à reencarnação (Jo 9.1-3) e ensinou a impossibilidade de qualquer pessoa se salvar por ela (Mt 25.34, 41, 46). Em lugar de ensinar a preexistência de todas as almas, como é próprio da Cientologia, Jesus afirmou que era o único que preexistiu de fato, e não estava em um estado reencarnado: "Vós sois cá debaixo, eu sou lá de cima; vós sois deste mundo, eu deste mundo não sou" (Jo 8.23). O homem não veio de uma "estação de implante" de outro planeta. O homem é deste mundo, unica--mente da terra. O gênero humano começou na terra, com a criação de Adão.10 Desprezo pelo corpo Ao expressar o conceito que tem sobre o corpo, a Cientologia revela a origem de suas crenças. Ela diz que nós não pertencemos a esse corpo físico, pois é mau. Esse ensino, no entanto, é idêntico ao pensamento gnótisco11 . Os gnósticos pregavam um dualismo entre a matéria e o espírito, advogando que a matéria criada era má. A encarnação, a ressurreição e a ascensão de Cristo são essenciais ao entendimento e à fé cristã, pois mostram que não há lugar para essa torpe dicotomia entre o espiritual e o material. O cristão aceita o fato de que corpo, além de criação de Deus, é habitação do Espírito Santo (1Co 6.19). Somos instados a glorificar a Deus com o nosso corpo (1Co 6.20).Tiago 2.26, diz: "...o corpo sem espírito é morto...". A formação do homem, desde a criação de Adão, demanda um corpo, bem como um espírito, para que ele fosse uma "alma vivente" (Gn 2.7). Um dos propósitos da futura ressurreição do corpo do cristão é reunir o corpo e o espírito, formando um ser completo. O caminho da salvação Como vimos, a Cientologia crê que o homem é "basicamente bom", "sem pecado". Portanto, segundo afirmam, "é desprezível e completamente abaixo de todo desprezo falar para um homem que ele tem de se arrepender, que ele é mau".12 Na visão da Cientologia, o homem tem apenas cicatrizes (Engramas), e é justamente isso que o impede de descobrir e exercitar "seu poder inerente". À medida que a pessoa se submete às sessões de "audição"13 , em tese ela estará purificando sua mente dos ferimentos e das chagas que tenha contraído em suas existências anteriores à atual, a fim de chegar a uma conscien-tização de sua divindade.Contrastando essa doutrina absurda, Jesus Cristo ensinou que o homem tem um grave problema: o do pecado, e está incapacitado de resolvê-lo por si mesmo. Jesus disse que o homem é mau por natureza (Mt 12.34; 7:11). Falou, ainda, que do interior do homem procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos teste-munhos e blasfêmias (Mt 15.18,19). Seu primeiro sermão foi uma exortação ao arrependimento (Mt 4.17). A pregação de João Batista (Mt 3.2), dos Doze (Mc 6.12), de Pedro no Pentecoste (At 2.38) e de Paulo aos gentios (At 17.30; 26.20) continha mensagens com forte apelo ao arrependimento para que houvesse remissão de pecados. A mensagem do arrependimento deveria ser levada por todo o mundo (Lc 24.47). Nossos irmãos, num passado não tão distante, compuseram uma magistral definição de arrependimento que os cientólogos deveriam atentar. Vejamos:"Por ele um pecador, movido pelo que vê e sente, não só diante do perigo, mas também diante da imundícia e odiosidade de seus pecados, como sendo contrários à santa natureza e à justa lei de Deus, e na apreensão de sua misericórdia em Cristo destinada aos que são penitentes, de tal maneira se entristece e odeia seus pecados, que, deixando-os, se volta para Deus, propondo-se e diligen-ciando-se por andar com Ele em todas as veredas de seus mandamentos" (Confissão de Fé Westminster - Cap. XV, seção II).14 "Vasos rotos"Os cientólogos precisam ouvir a mensagem do evangelho da graça do Senhor Jesus Cristo. Precisam ser despertados do fascínio do "budismo tecnológico" e romper com esses "vasos rotos" (Jr 2.13), inúteis e vazios, sem água, devendo trocá-los pela fonte da vida, da qual fluem rios de água viva (Jo 4.14).Soli Deo Gloria Notas:1 Walter Martin. O Império das Seitas, Vol.III. Venda Nova. Editora Betânia, 1992.2 George A. Mather & Larry A. Nichols. Dicionário de Religiões, Crenças e Ocultismo. São Paulo: Editora Vida, 2000.3 Já vendeu mais de 18 milhões de cópias pelo mundo e foi traduzido em 52 idiomas.4 O Dr. Frank K. Flinn, em uma excelente pesquisa, qualificou a Cientologia de "Budismo Tecnológico" (Alternatives to American Mainline Churches, New York, Rose of Sharon Press, 1993, pp. 89-110. 5 Une Armée en Marche, 1882-1982. Cent ans de Service salutiste en Suisse, Berne, 19 de outubro de 1883.6 L. Ron Hubbard, Scientology 8-8008, Los Angeles, Publications Organization, 1953, 1967, p. 73.7 L. Ron Hubbard, Certainty Magazine 5, no. 10 (s.d.), 73.8 Decraração de L. Ron. Hubbard, conforme citado por Kurt Van Gorden, em Challenging Scientology with Gospel of Jesus Christ.9 Eram uma comunidade religiosa judaica que floresceu do século I a.C. ao século II d. C. 10 O termo Adão (Adamah - hebraico = Terra) aparece 560 vezes no A. T., para indicar homem ou humanidade; mas no começo do livro de Gênesis indica o primeiro homem, e é um nome próprio. 11 Termo derivado do grego Gnosis, conhecimento, usado no passado para designar uma seita herética denunciada nos primeiros séculos da Igreja Cristã. Boa parte do N.T. condena seus ensinos. 12 Declaração de L. Ron Hubbard, conforme citado por Kurt Van Gorden, em Challenging Sccientology eith Gospel of Jesus Christ.13 A princípio, são de preços toleráveis, mas vão-se tornando cada vez mais caros, a ponto de causar total dependência e endividamento em relação à Cientologia. 14 Zc 12:10; At. 11:18; Lc 24:47; Mc 1:15; At. 20:21; Ez 18:30,31; 36:31; Is 30:22; Sl 51:4; Jr 31:18,19; Jl 2:12, 13; Am 5:15; Sl 119:128; 2 Co 7:11; Sl 119:6,59,106; Lc 1:6; 2 Rs 23:25.
Continuação.
Usurpadores do Reino
A paz do Senhor, são os últimos dias as últimas horas os últimos segundos, estamos na contagem regressiva para a volta de Jesus para buscar sua Igreja, por isso que tem que acontecer esses acontecimentos escatológicos, é Bíblico, só vai piorar a situação mais me alegro com isso porque estes são os sinais da volta de Jesus.
Não sou contra irmãos que tem sua vida bem renumerada, pois as bênçãos de Deus são para seus filhos, devemos aproveitar o bom tempo da colheita, mais não devemos deixar que o dinheiro reine em nossos corações, pois isso pode virar avareza, o amor ao dinheiro, para Deus isso é pecado, e o servo de Deus tem que tomar todo cuidado para não perder o reino dos céus.
Mais isso não é o que estar acontecendo em nosso meio, muito estão se contaminando pelas riquezas que estão em sua volta, estão fazendo as coisas de Deus “mercado” como se eles fossem os patrões e a Igreja seus empregados, são os servos maus, que Jesus disse, por isso devemos a todo instante vigiar e orar, para não cairmos nessa tentação.
O verdadeiro obreiro é aquele que se dispõe a cuidar do rebanho de Cristo, e ele tem que saber que o rebanho pertence a Jesus Cristo e que nós somos apenas seus servos, por isso tem que cuidar com todo amor.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Usurpadores do reino


Paz do Senhor Jesus a todos!
Somos servos do Deus Altíssimo, estamos esperando o grande acontecimento que vai abalar o planeta terra, muitos vão se perguntar o que aconteceu? Onde eles estão?
Por que eles desapareceram? E nós porque fomos deixados para trás?
Está pergunta não só as pessoas ímpias irão fazer mais os afastados, os crentes que brincaram com Deus eles vão fazer esta pergunta, vão dizer a mais eu sou bom, nunca matei, mais nunca vão querer admitir seus erros que o fizeram ficar.
E os mercenários que matam as ovelhas, a cada dia isto tem aumentando em nosso meio, pessoas que não tem chamada ministerial são consagradas por elas agradaram o pastor, mais e a Deus?
E o pastor que o consagrou acaba sacrificando as ovelhas por causa desses lobos devoradores! E quando eles percebem que fez, acabam se arrependendo mais é tarde demais, o rebanho acaba sendo atacado, matando, ferindo deixando enferma as ovelhas de Deus!

São os usurpadores do reino, eles não ensinam, sobre a santidade, não ensinam o que é idolatria, não ensinam sobre o divorcio, não disciplinam mais, encobrem os pecados de alguns membros, só olham para a oferta gorda, roubam o dizimo, e os vê com ternos chiques, com rosto cheios de maquiagem, lentes de contato azuis, com o rosto novo, mais jovem por causa da cirurgia plástica com vários carros importados, aviões, esbanjando em luxo!E com a conta gorda.
Tem ovelhas que choram por causa disso, mais tem ovelha que já esta tão doente que já perderam a visão, e pensa que nada é pecado, só gosta de ouvir os sermões sobre prosperidade, bênçãos, sem enfermidades, que tem que ter uma vida sem doenças sem sofrimentos, a ainda dizem mais, que aquele esta passando por alguma doença estão em pecado, e que precisam de libertação, pra ser abençoado precisa ter um carro importado, varias mações, um barco, avião ah! Pra eles isto é uma grande benção! Mais isto é ajuntar bens aqui na terra?
Jesus nos disse que temos que ajuntar riquezas nos céus, e não devemos ajuntar riquezas aqui na terra, será que eles já perderam o sentido, e que tudo irá ficar aqui!
Mais eu posso imaginar seus pensamento, eu entendo o que eles pensam que saber? Sim, eles pensam que deve aproveitar a vida desfrutar de todas as riquezas deste mundo, até a volta de Jesus!
Realmente! Mais pensam errados sabe por que a Bíblia não nos ensina a assim: Jesus disse instruiu os seus discípulos:
As instruções para os doze ( Mt 10.5-15).
A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes instruções: Não tomeis rumo aos gentios, nem entreis em cidade de samaritanos;
Mas, de preferência, procurai as ovelhas perdidas da casa de Israel;
E, à medida que seguirdes pregai que está próximo o reino dos céus.
Curai enfermos, ressuscitai mortos, purificai leprosos, expeli demônios; de graça recebestes de graça daí.
Não vos provereis de ouro, nem de prata, nem de cobre nos vossos cintos;
Nem de alforje para o caminho, nem de duas túnicas, nem de sandálias , nem de bordão; porque digno é o trabalhador do seu alimento.
E, em qualquer cidade ou povoado em que entrardes, indagai quem neles é digno; e ai fique ate vos retirardes.
Ao entrardes na casa, saudai-a;
Se, com efeito, a casa for digna, venha sobre ela a vossa paz; se, porem, não o for, torne para vós outros a vossa paz.
Se alguém não vos receber, nem ouvir as vossas palavras, ao sairdes daquela casa ou daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés.
Em verdade vos digo que menos rigor haverá para Sodoma e Gomorra, no Dia do juízo, do que para aquela cidade.
Arvores e seus frutos
Ou fazei a arvore boa e seu fruto bom o arvore má e seu fruto mau; porque pelo fruto se conhece a arvore.
Raça de víboras, como podeis falar coisas boas, sendo maus? Porque a boca fala do que está cheio o coração.
O homem bom tira do tesouro bom coisas boas; mas homem mau do mau tesouro tira coisas más. (Mt 12.33-35).
O discípulo de Cristo deve levar a sua cruz
Então, disse Jesus a seus discípulos:
Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.
Porquanto, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa achá-la-á.
Pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou que dará o homem em troca da sua alma?
Porque o Filho do homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então retribuirá a cada um conforme as suas obras. (Mt 16.24.28).
O perigo das riquezas
Então, disse Jesus a seus discípulos:
“Em verdade vos digo que um rico dificilmente entrará no reino dos céus.” (Mt 21.23).
“E todo aquele que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe [ou mulher], ou filhos, ou campos, por causa do meu nome, receberá muitas vezes mais e herdará a vida eterna.” (Mt 21.29).
Jesus reprova a avareza
“Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui.” (Lc 12.15).


A ansiosa solicitude pela vida
“A seguir, dirigiu-se Jesus a seus discípulos, dizendo: Por isso, eu vos advirto: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer, nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir.
“Porque a vida é mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes.” (Lc 12.23).
“Se, portanto, nada podeis fazer quanto às coisas mínimas, por que andais ansiosos pelas outras?” (Lc 12.26).
“Porque os gentios de todo mundo é que procuram estas coisas, mas vosso Pai sabe que necessitais delas.” (Lc 12.30).
“Buscai, antes de tudo, o seu reino, e estas coisas vos serão acrescentadas.” (Lc 12.31).
“Jesus disse: Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outro me odiou a mim.” (Jo 15.18).
“Se vós fosseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrario, dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia.” (Jo 15.19).
“Esta coisa vos tem dito para que tenhais paz em mim. No mundo tereis aflições; mas tende bom animo; eu vence o mundo.” (Jo 16.33).
“Então sereis atribulados, e vos matarão. Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome.” (Mt 24.9).
E ai? Jesus falou que devemos sofrer por amor a ele, carregar a nossa cruz, não ajuntar tesouros aqui na terra, mais fazer o que é mais importante pregar o seu evangelho da Salvação, a Igreja precisa clamar, por socorro a Deus, para que os nossos pastores venham ter visão de Deus, para consagrar obreiros de valor, por isso que temos que examinar as Escrituras Sagradas, Jesus também diz: errais por que não examinais as Escrituras, por isso quem não espanta os lobos sacrificam as ovelhas, mais vai chegar a hora em que o Senhor derramara a sua irá sobre estes pastores maus, onde está escrito em Ezequiel 34. 11-31.
Mais ainda existem pastores que são homens de Deus, que até dão sua própria vida por amor as ovelhas, que não medem esforços para pregar o evangelho, são homens honestos com suas agendas, não falham somente em casos em caso de enfermidades, são homens que ajudam seus companheiros de obra, que divide aquilo que possui, que não granjeiam bens aqui na terra, não são vaidosos, conhece cada uma de suas ovelhas, não se consideram chefes mais o menor, tem amor, tem paciência, são bons esposos bons pais bons ministros do evangelho da Salvação, são homens que não tem medo di dizer a verdade, pois trabalham na causa do Senhor, sabem que receberam seus galardões no céu, são somente cooperadores da obra de Deus, e que o cabeça é Jesus Cristo, por isso estão aqui para ajudar a noiva de Cristo.
Roseane Marques

quinta-feira, 14 de maio de 2009


Pregar rosas, e os espinhos?
Missionária Roseane Marques

Estamos em tempos difíceis, em que temos que rejeitar as oferendas da mesa do rei, para agradar-mos a Deus.

Continuação
Pregar rosas, e os espinhos?
Estamos nos últimos dias, à palavra de Deus diz, que o amor de muitos se esfriariam, por causa dos escândalos, (Mt 24-14).
Vejamos, congressos de mocidade, a Igreja juntamente com seus pastores, se reúnem para escolher um preletor para festa, os jovens gostam de avivamento, escolhem um pastor de renome, mais às vezes esse tal pastor “famoso” só vem se a Igreja pagar um alto cachê, da mesma forma o “cantor pop estar”, está fazendo da palavra de Deus “mercado” o Senhor Jesus disse na sua palavra assim: Não vos provereis de ouro, nem de prata, nem de cobre nos vossos cintos; nem de alforje para o caminho, nem de duas túnicas, nem de sandálias, nem de bordão; porque digno é o trabalhador do seu alimento. (Mt. 10.9-10).
O obreiro do Senhor não pode explorar a Igreja, tirando aquilo que lhe pertence, certo que o trabalhador é digno de seu salário, tudo bem, se o pastor sentiu de Deus de lhe abençoar é outra coisa mais pedir cachê para pregar a palavra de Deus, que é isso? Isso é absurdo!
Ah! Ainda tem aqueles que só pregam bênçãos, prosperidade, não é dizendo que Deus não faz seu povo prospero, não é isso, mas pregar somente sobre bênçãos, o povo de Deus precisa a cada instante, ser ensinado a ter obediência diante de Deus, saber o que é pecado, aprender ter uma vida de santidade, e tirando tudo aquilo que lhe contamina sua vida cristã.
Não se escuta mais falar sobre os dias finais, sobre a volta de Jesus, sobre que precisamos a cada instante fazer missões, pessoas estão morrendo a cada dia, sem conhecer Jesus Cristo.
Os programas de televisão
Não sou contra a Igreja, ou o pastor que tem seu programa de televisão, pois é meio de pregar o evangelho as pessoas que não podemos alcançar.
Mas usar o programa como um meio de propagar, somente bênçãos, como por ex: “Aceite a Jesus e não irás, mas sofrer”, ou como o tipo “oferte, e nós os ministros vamos levantar um clamor para afastar o mal olhado de sua vida” Ou “milagres, e milagres, milagres,” eu creio em milagres, mais tudo tem sua hora.
Jesus nos advertiu em sua palavra, que temos padecer, sofrer e até morremos por amor a ele, o Senhor falou sobre as dificuldades, ele disse: Estas coisas vos têm dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo. (João 16.33).
Temos paz com ele em nossa vida, pois aparte que o aceitamos como o nosso único Salvador, temos paz, dentro de nossa vida, mais que iremos sofrer por amor a ele, por isso que o caminho é estreito e largo e espaçoso que leva para a perdição, que dizer, o caminho estreito é cheio de dificuldades, tem espinhos pedras por isso que temos que nos esforçar para chegarmos ao céu de glória, e o caminho largo, são cheio de coisas fáceis, porém tudo aquilo que leva ao homem para o pecado e perdição eterna e por isso que são muitos que entram por ele, e poucos que vão pelo caminho estreito.
Temos que vigiar e orar, para não vacilarmos diante do Senhor, este negocio é serio, a palavra de Deus tem que ser pregada com cuidado, é a mensagem de Deus enviada para o homem, para que venha se arrepender de seus maus caminhos, e vem se converter.
Ter uma vida de santidade não é difícil, mas é ser diferente do mundo, requer esforço, então vamos ser diferentes para que o mundo veja o brilho que a em nossa vida, que não devemos deixar de maneira nenhuma que a lâmpada que esta em nós se apague, não esqueça somos sal da terra e luz do mundo.
Roseane Marques

terça-feira, 12 de maio de 2009

"Os dons espirituais"

Texto: I Coríntios 12-31.

Os dons espirituais são importantes para nossa vida Cristã, são um presente de nossa Senhor a cada membro de sua Igreja, porém devemos usa-los com decência e ordem, a Igreja de Corinto estava passando por uma, por causa de sua inesperiência acerca dos dons espirituais, Deus usava eles mais eles agiam como meninos, hoje não é diferente muitos agem como meninos agem de forma como como se Deus tivesse usando, mais na verdade muitas vezes é carne.
Todos somo cheios do Espírito Santo e todos nós temos dons diferentes, mais devemos sempre usa-los com ordem, devemos esperar uns pelos outros na hora em que o Espírito Santo nos inspirar, se um profetizar, temos que esperar a nossa vez, e quando um estiver profetizando, a Igreja em si, deve ficar calada, ouvindo a mensagem de Deus.
A momentos quando Deus estar usando uma pessoa em profesia alguns irmãos se emociona choram, glorificam, falam em línguas estranhas e fica dificil entendermos o que Deus esta falando para nós, não estou falando que temos parar de da glória deixar de falar em línguas estranhas não que isso, mais tudo na hora certa, as coisas de Deus é feita com decência e ordem, temos que ouvir as profecias e esperar cada uma acontecer, se cumprir a profecia foi de Deus, se não, não foi Deus que usou, a palavra fala que não devemos desprezar as profecias.
Sobre a meninice
Eu e meu esposo passamos por uma forte experiência em uma congregação em que fomos dirigentes tivemos que enfretar "cincos homens de Deus". Tudo para eles era pecado até aqueles jarrinhos de flores que ficam no púlpito da igreja para eles era idolatria, eles não respeitavam dirigentes, e diziam que só obedeciam só a Jesus, eram trabalhosos em culto de doutrina raramente apareciam, e na escola dominical, sempre debatiam com meu esposo, quando a lição lhes tocava em suas feridas.
Suas profecias eram pesadas, isuntavam os irmãos obrigavam os novos convertidos serem santo ao extremo alguns deles não suportavam e acabavam se afastando, um deles era profeta casamentero cada jovem ele sonhava e dizia que ela era sua esposa, mais ate agora ele não conseguio casar com nenhuma, um foi pior, meu esposo e eu cuidavamos de uma familia em um povoado, a matriarca da familia era idosa e estava com câncer, em último estado, iamos lá oravamos por ela e toda familia, mais Deus só cura se ele quiser, eles foram lá e um deles dizendo ser usado por Deus "pofetizou" que sete dias, sete dias era iria ser curada, se não fosse curada ele ragaria a sua própria Bíblia, a irmã doente não gostava deles, ela ainda viva nos relatou que eles a obrigavam a se ajoelhar para receber a oração, meu Deus, a irmã não tinha a minima condição, nós vimos seu estado, sim no final de contas, a irmã faleceu, e ai? ele disse que rasgaria a Bíblia, ele não rasgou, a perseguição contra nós foi grande de mais. Ainda hoje eles permanecem os mesmos, não obedecem pastores somente a Jesus, são muitos parecidos com os crentes de Corintos.
A vida na sociedade
a certos "profetas" que a vida meu Deus, é até triste comentar, são desobedientes, não respeitam ninguém, tem uma vida de pecados, dão mau testemunhos, são glutões, veacos, brigam com a familia, discutam com os vizinhos, alguns são mulherengos, adúltera, se prostituem, e ainda querem que Deus os use, a Bíblia fala que da arvore conhecereis seus frutos.
De Deus ninguém se zomba, um dia cada um há de prestar conta de cada ato perante o Senhor.

Pregar rosas, e os espinhos?


A paz do Senhor a todos.


Estamos vivendo dias trabalhosos, o amor de muitos estão se esfriando pessoas que um dia aceitaram Jesus Cristo em sua vida, mudaram seu aspecto de vida diante de Deus e dos homens, antes temiam a Deus, hoje não temem mais.

Não tenho medo de puplicar isso pois a pessoa que um dia vou prestar conta é com o Senhor e este tenho que respeitar.

Ex: a maneira de vida na sociedade



  1. Age como um mundano(andando em pecado, como atitudes que não levam a santidade).

  2. As vestes ( usam roupas como um mundano, brincos, tatuagens etc.).

  3. A linguagem( palavrões, contendas, fofocas, mentiras etc.).

  4. Se envergonham ( alguns tem vergonha de dizer que é crente.).

  5. Roubam o Senhor(enganam a Deus nos dizímos e nas ofertas.).

  6. Encobrem seus pecados( passam a mão ante ao pecado.).

  7. Não disciplinam mais(deixam como tá.).

Na Igreja



  1. Só gostam de ouvir,palavras que masageam o coração.

  2. Não gostam de exortação.

  3. Não de ser disciplinados.

  4. Só fazem o que lhes agradam.

  5. Não falam mais sobre o arrebatamento.

  6. Não falam mais sobre sofrer por amor a Cristo.

  7. Só pregam sobre bençãos.

  8. Sobre sonhos.

  9. Não gostam da doutrina.

  10. Mudaram os usos e costumes da Igreja, que para mim e muitos que amam a Deus que consideram os usos e costumes como algo que faz parte da outrina de Deus.

A uma frase de um pastor homem de Deus, que diz: "Aquele que não espanta os lobos do rebanho, estão sacrificando as ovelhas".


Homens que um dia foram levantados por Deus, para pregar o evangelho da Salvação, estão pregando histórinhas para emoncionar e massagear ego, se não se converterem vão pagar um grande preço diante de Deus, isso fazem para não perder a agenda com o Pr. daquela Igreja, (a oferta gorda). cobram o alto cachê, para levar a palavra de Deus. Que isso a palavra de Deus não é um mercado, eita Senhor que ira estar meu coração, quantas pessoas nos lugares mais pobres não estão ouvindo o evangelho, por causa desses hipocritas, mercenários, que só vão pregar se pagarem um alto preço.(8.000 r$), (10.000r$), fico com pena do pr. e da igreja que é enganado por esses aproveitadores de púlpitos. Creio que Deus estar levantando homens e mulheres que são compromissados com sua palavra. Para pregar a verdade, sobre a Salvação. Chega de ouvir histórinhas pra boi dormir, é tempo de pregar a Bíblia pregar a palavra, que venha levar o homem ao arrependimento, e os servos a obediência a Deus. Amém.


Missionária Roseane Marques


Ministério: Jesus Cristo é a Salvação




"A grande promessa"


Todos nós servos do Deus Altissimo temos promessas feita por ele a nosso respeito.

Logo após que Adão e Eva pecaram ele disse que de uma mulher viria um que esmagaria a cabeça da serpente, seu próprio filho Jesus, em o velho testamento ele foi profetizado,Isaías foi um profeta messiânico, Jesus nasceu e morreu por nós e ao terceiro dia ressuscitou, e prometeu um consolador, e nos enviou, e prometeu que iria retornar e nos buscar.

A Igreja de Cristo estar na terra esperando este grande dia, a volta do nosso Rei, não somos mais deste mundo somos peregrinos, forasteiros, somos do céu, esta foi a promessa do nosso Senhor, e confiamos nela.

Deus prometeu a Abraão e Sara que eles seriam pais das nações, sua esposa era estéril não podia dar filhos a ele, mais nada é impossivel a Deus, a madre de Sara foi aberta e ela concedeu um filho a Abraão, Isaque.

Isaque com seus quarentas anos se casou com sua prima Rebeca ela era estéril, Deus concedeu dois filhos a eles Ésau e Jacó.

Jacó se casou com Raquel sua esposa era estéril, Deus concedeu um filho a ela José.

Os descendentes de Abraão foram grandes na terra e ainda hoje o são, pois a promessa de Deus não acaba, ela se cumpre, a cada instante que confiamos e acreditamos que ele pode fazer o impossivel, Deus realizou isso na vida de Abraão por causa de sua fé. Deus se agrada quando o homem deposita sua confiaça sua fé nele. Em sua caminha de fé Abraão foi provado por Deus e ele passou em todas, em uma ele falhou, quando deu ouvido a sua mulher Sarai, quando ela achou impossivel que poderia lhe conceder filhos, era esteril,era idosa. para ela isso era impossivel, ela deu sua escrava Hagar, ela concedeu um filho a Abraão, mais ele não era a promessa de Deus, Deus usa Sara para mandar Hagar e seu filho irem embora, porém por Ismael ser filho de Abraão Deus fez Ismael uma nação forte.

Chega a promessa na vida dos dois nasce Isaque (risada), por que Sara deu risada, quando o Senhor fez uma visita a Abraão, e lhe lembrou a promessa que ele seria pai das nações.

Chega um momento em nossa vida, que pessamos que nada vai acontecer, e que as promessas morreram, mais Deus ele não tarda, ele age no momento certo, apenas nos prepara para recebermos sua benção, nunca é bom apressamos pois lá na frente podemos pagar um alto preço, por causa de nossa pressa.

Vale a pena sofrermos por amor a Cristo esperando sua promessas se concretizar em nossas vidas em cada tempo determinado, e estamos esperando uma grande promessa a acontecer, e esta promessa é a amaior de todas ela cobre todas as outras promessas, a grande promessa do céu de glória, Jesus está voltando, este será um grande dia. oxalá.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

"Casamento um matrimônio de Deus"

Texto
"venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros Deus os julgará" (Hb 13.4).

Introdução

Havia dúvidas entre os crentes de corinto sobre o casamento e o relacionamento familiar em geral. Foi então que eles resolveram escrever ao apóstolo Paulo a fim de se esclarecerem sobre esses assuntos (v.1).
  1. Casamento ou celibato

É evidente a inspiração divina e sobrenatural do apóstolo Paulo ao tratar deste importante assunto. "Mando, não eu, mas o Senhor" (V 10.); "Digo eu, não o Senhor" (v.12). Ver também os vv. 25,40.

  • Casar ou não casar?

"Bom seria que o homem não tocasse em mulher" (v.1). No estado de celibato, o homem e a mulher devem manter-se sexualmente abstêmios. Intimidades conjugais são limitadas ao casamento.

Deus não criou o sexo para o pecado, como está ocorrendo no mundo ímpio; o chamado "sexo livre", segundo a palavra de Deus, é abominação. Isto não significa, de acordo com a Bíblia, que seja impróprio, ou condenável, estar solteiro ou casado. É questão de consciência e possibilidades de cada um. Todavia, todos devem estar cientes de que o casamento traz consigo certas obrigações que os pretendentes não podem ignorar.

Em 1 Timóteo 4.1-3, o mesmo apóstolo profetiza, pelo Espírito Santo, que um dos sinais do fim dos tempos é proibição do casamento. Há por toda parte uma multidão de casais vivendo sem serem casados sob o rótulo de "união estável" protegida pelo estado.

O matrimônio foi instituido por Deus e é um estado honroso (Hb 13.4), mas o celibato também é uma opção de vida perfeitamente natural (v.38). O casal cristão que vive no temor de Deus simboliza Cristo e sua Igreja (Ef 5.31,32).

II. A necessidade do casamento

Ante a imoralidade sexual desenfreada, como era o caso da população de corinto, e a do mundo hoje, o casamento e protege a pureza moral da sociedade a partir da família: "mas por causa própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido" (v.2).

Vejamos algumas atitudes e deveres cristãos concernentes ao casamento (vv.3,4).

  • Obrigações recíprocas

" O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao marido" (v.3). Ou seja, cumpram com seus deveres conjugais. O verbo "pague" deixa claro que não se trata de favor, mas de uma obrigação; do marido para com a esposa e da esposa para com o marido. isso nos faz compreender que o ato conjugal não visa somente à procriação, mas a satisfação mútua. No casamento, cada cônjuge tem direito à pessoa do outro. Embora a Bíblia ensine que o marido é a cabeça da família e que a esposa deve obedecer-lhe a orientação, na área sexual ambos estão no mesmo nível.

As diferenças afetivas e psicológicas dele e dela devem ser conhecidas por ambos, a partir do marido, por ser ele a cabeça do casal (1 pe 3.7" com entedimento"). A expreção " não vos defraudeis um ao outro" (v.5), é um preceito bíblico. O relacionamento físico do casal é parte do plano divino (1 Co 7.3); é uma necessidade conjugal (Pv 5.15,18); é um direito conjugal ( Êx 21.10).

No v.5, satanás é citado como um inimigo pronto para infernizar e destruir o casamento, especialmente através da infidelidade conjugal. Ele sempre procura arruinar tudo o que é bom, e o casamento é um de seus principais alvos. Que isso sirva de alerta para todo casal cristão.

  • Abstinência temporária

Dá-se a abstinência temporária quando um dos cônjuges resolve abster-se sexualmente para dedicar-se de forma integral a uma missão ou atividade espiritual. Há condições definidas para isso (v.5): 1) Consentimento mútuo; 2) A situação deve ser temporária "por algum tempo"; 3) Deverá ser por elevados propósitos cristãos- oração, jejum; e 4) Deverão juntar-se de novo, imediatamente.

III. O solteiro

  1. "Cada um tem de Deus o seu próprio dom"

O termo "dom" refere-se a uma capacitação sobrenatural conferida por Deus para alguém permanacer solteiro sem "abrasar-se" (v.9), e sem frustração. O cristão pode permanecer solteiro por tempo indeterminado, ou nunca se casar para realizar própositos específicos de Deus. Todavia, isso requer não somente domínio próprio, mas um dom especial da graça divina, o qual não é conhecido a todos:... cada um tem de Deus o seu próprio dom..." (v.7).

Você é solteiro (a) e tem o dom do celibato? Está disposto (a) a ficar assim, servindo ao Senhor com fidelidade, segundo seus desígnos específicos para a sua vida?

2. O conselho de Paulo aos solteiros que desejam permanecer neste estado

Tinha a ver com as condições sombrias que estavam para atingir a igreja. no v.26, a expressão "intante necessidade" equivale a " situação angustiosa que se aproxima". Jesus também abordou esse assunto em Mateus 19.12.

IV. Compromissos cristãos no casamento

  • A mulher e o marido não devem se separar.

O apóstolo expressa diretamente a vontade do Senhor: " Todavia, aos casados, mando não eu, mas o Senhor" (v.10). " A mulher se não aparte do marido (...) Se, porém, se apartar, que fique sem casar"(...) " o marido não deixe a mulher" (vv.10,11). Naquela época tanto a lei romana quanto a judaica concedia igualmente ao marido e a mulher o direito de dissolver o casamento por "qualquer razão" (Mt 19.3b). Jesus, porém, declarou enfativcamente: " Qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; o que casar com a repudiada também comete adultério" (Mt 19.9). Ler também comete Mt 5.32; Mc 10.11,12, Lc 16.18; Ml 2.14-16.

  • conversão do cônguje após o casamento

Os versículos 12-16 têm a ver com casais descrentes em que um dos côngujes converte-se a Cristo, e o outro não. A Bíblia não está aqui sancionando o casamento misto, do crente com o incrédulo. A passagem infere claramente a conversão de um deles após o casamento. Não é que o descrente passe a ser santo em Cristo perante Deus simplesmente porque seu cônjuge é convertido. Significa, sim, que o marido ou mulher de um crente é motivado a chegar-se a Deus pelo modo consagrado de viver do crente.

Através do cônjuge crente, as bênçãos do casamento são conferidas sobre o descrente. E até os filhos de tal casamento são também abençoados... " mas, agora, são santos" (v.14).

Se o descrente se recusar a permanecer com o convertido por causa de sua fé em Cristo, o cristão está livre da obrigação de sustentar o casamento. " Mas, se o descrente se apastar, aparte-se" (v.15). Esses casos ocorrem com freqüência. No passado, corria muito mais.

Conclusão

Os coríntios viviam num ambiente de promiscuidade sexual ostensiva,sendo a metrópole de Corinto o centro do culto imoral e depravado à deusa grega Afrodite, cultuada entre os romanos sob o nome de Vênus. Ela era considerada a deusa do amor erótico, sensual. Hoje a Igreja defronta-se com ambiente ainda pior, como é o caso da multimídia eletrônica e informatizada: dramatizada, falada, visualizada, escrita, gravada etc. Entretanto, maior é Deus para guardar a todos os que nele confiam e que vivem para ele.